35th Bienal de São Paulo
6 Set to 10 Dec 2023
Free Admission
A+
A-
35th Bienal de
São Paulo
6 Set to 10 Dec
2023
Menu

Rosana Paulino

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

https://youtu.be/OPbtQ7f58Xc

Rosana Paulino nasceu em 1967, em São Paulo, Brasil. É artista visual, pesquisadora e educadora. As criações de Rosana Paulino falam sobre problemas sociais, étnicos e de gênero no Brasil, com foco nas mulheres negras. Paulino, que também é uma mulher negra, aborda os diferentes tipos de violência que essa população enfrenta por causa do racismo e das consequências duradouras da escravidão.

Para esta Bienal, a artista apresenta uma série chamada Mangue, trazendo obras muito grandes que foram feitas com tintas naturais, onde predominam tons de amarelo, marrom e verde. 

As telas retratam mulheres em diferentes situações. Elas estão ao lado de grandes troncos de árvores com as raízes aparentes e também há raízes no que seriam as pernas das mulheres.

Na obra Peixe, três telas de mesmo tamanho ficam lado a lado, compondo um tríptico com quase seis metros de largura e aproximadamente três metros de altura.

Em cada uma das telas laterais há um tronco com raízes aéreas e aparentes, e cuja copa não é visível. O fundo das telas é bege e os troncos são amarelo-vivo. As raízes mesclam-se, sendo algumas em amarelo, outras em um tom marrom avermelhado e em outras, ainda, a cor vai ficando mais esverdeada, como se houvesse musgo crescendo nelas.

Uma grande mulher ocupa quase toda a tela central. Ela está de frente para você e carrega nos braços dobrados um peixe comprido e acinzentado, com guelras e rabo vermelho. A mulher tem a pele no mesmo tom amarelo-vivo dos troncos e está com o peito nu. No lugar de pernas, ela tem raízes crescendo do chão, como as das árvores ao lado. O cabelo dela é curto e crespo, o nariz é largo, os lábios são grossos e os olhos  estão preenchidos pela cor verde. Atrás de cada uma das orelhas há um galho com folhas verdes de onde pendem sementes avermelhadas. 

No lançamento do segundo movimento da publicação educativa desta Bienal, Rosana Paulino afirmou que “o mangue é um lugar muito importante porque é berçário, é um local de vida e de morte. Tudo começa ali, tudo termina ali”.

O que você acha que Rosana Paulino quer dizer com esse trabalho? Você já parou para pensar que o imaginário brasileiro é atravessado por estereótipos racistas sobre as mulheres negras, como a hipersexualização e o trabalho servil, por exemplo? A quebra desses estereótipos é um aspecto importante para a artista. Como diz Barbara Copque no catálogo desta Bienal, “falamos por e para esse corpo. Paulino tece, desestabiliza e subverte as certezas da colonialidade que nos atravessa”. Você consegue perceber a relação dessas reflexões com a série Mangue?

Para Paulino, as raízes aparentes nas árvores e nas mulheres retratadas nas telas são uma maneira de dizer às mulheres negras que “já não é mais necessário se esconder”, como diz Barbara Copque.

Raízes também nos remetem à ancestralidade. De fato, a artista valoriza muito o pensamento afro-diaspórico e as religiões de base africana e afro-brasileira, que foram herdadas por seus ancestrais. Para os povos afro-diaspóricos, estar no mundo é sempre “ser um pouco as coisas”. No caso das mulheres, isso também se revela na maneira como são constituídas e, ao mesmo tempo, constituem a natureza. Você reparou que nessas pinturas as mulheres, os corpos femininos, também são árvore, mangue, natureza? Como você se sente ao conhecer esta obra?